07-03-2018 - Investigação Tecnológica

Mais de 100 pessoas no kick off operacional do Projeto Inpactus

A reunião de kick off operacional do Projeto Inpactus teve lugar na Quinta de S. Francisco, em Eixo, Aveiro, no passado dia 1 de março, e contou com a presença de mais de 100 pessoas. Durante a manhã decorreu a sessão plenária e a tarde foi marcada pelas reuniões paralelas por áreas de projeto (Tissue, Papel UWF, Pasta, Biorrefinaria e Financeira).A abertura da sessão plenária contou com a intervenção do Administrador João Paulo Oliveira que destacou a estratégia do grupo The Navigator Company, o alinhamento do Inpactus com o New Cycle, e a importância crescente da investigação e desenvolvimento.Carlos de Pascoal Neto, Diretor Geral do RAIZ salientou a importância do Inpactus, um projeto que promove a valorização de um recurso fundamental para o país, a floresta, e a competitividade internacional da indústria de pasta e papel, no contexto da moderna bioeconomia circular e sustentabilidade do planeta, assente nas florestas de plantação. Trata-se do maior investimento público-privado nacional numa iniciativa de colaboração universidade-empresa no setor florestal (15 milhões de euros em quatro anos). O Projeto Inpactus reúne as principais entidades universitárias nacionais com competências na área da ciência e tecnologia dos produtos florestais, num total de 180 pessoas, que trabalharão em intensa colaboração com o RAIZ e com a The Navigator Company, durante quatro anos, na concretização dos objetivos deste projeto.
Projeto Inpactus reúne entidades do sistema científico e tecnológico
O Inpactus - Produtos e Tecnologias Inovadores é um projeto aprovado a financiamento FEDER, enquadrado no Programa Operacional Competitividade e Internacionalização, no Sistema de Incentivos às Empresas, aprovado em regime contratual de investimentos. O consórcio é constituído pela Navigator Paper Figueira da Foz, Navigator Pulp Cacia, RAIZ- Instituto de Investigação da Floresta e Papel, Universidade de Coimbra e Universidade de Aveiro, em parceria com entidades do sistema científico e tecnológico, envolvendo parceiros nacionais e internacionais, como a Universidade do Minho, a Universidade da Beira Interior, a Universidade Nova de Lisboa, o Instituto Técnico de Lisboa, o Fraunhofer Institute (Alemanha), o Iberian Nanotechnology Laboratory e o RISE Institute (Suécia).
Se achou este artigo interessante, partilhe-o.